Goiânia, sexta-feira, 24 de Outubro de 2014     Seja-bem vindo! 
:: Sermões em Série ::
Séries / VIVENDO COM PROPÓSITOS  / UNIDADE: CAMINHO DA BÊNÇÃO - SL 133

UNIDADE: CAMINHO DA BÊNÇÃO - SL 133

Queremos ser uma Igreja que CRESCE: forte por meio da adoração, numérica por meio do evangelismo, intensa por meio do discipulado, ampla por meio do ministério e calorosa por meio da comunhão. Para provar deste calor da comunhão precisamos trilhar o caminho da UNIDADE...

O PRESSUPOSTO DA UNIDADE É A “IRMANDADE” (v. 1) – o salmista aponta para uma unidade restrita àqueles que são “irmãos”, ou seja, que passaram por uma experiência comum de descoberta e reconhecimento da paternidade de Deus (Mt 6:9 – “Pai nosso”), à qual só tem um caminho: a fé genuína em Jesus (Gl 3:26 –28 “pois todos vós sois filhos de Deus mediante a fé em Cristo Jesus...”; Jo 1:11-12 “... mas a todos quantos receberam Jesus deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêm no seu nome”). Igualmente, a construção desta “irmandade” envolve o toque comum do Espírito Santo: Nele temos a garantia da comunicação com o Pai e da herança do Pai (Gl 4:4-6), logo nossa unidade é na verdade a “Sua unidade” (Ef 4:3). Aprendemos, assim, que a unidade não se baseia no que somos ou em nossas afinidades e preferências, mas naquilo que Deus é – Pai, Filho e Espírito Santo – a mais perfeita comunidade que confere a nós o DNA da unidade!

O DESAFIO DA UNIDADE É A “PRATICIDADE” (v. 1) – ser irmão é resultado direto de um “ato único”: o nascimento espiritual (Jo 3:3) que nos conferiu o privilégio de pertencer a família de Deus (Ef 2:19). Agora, pela adoção de Cristo Jesus (Gl 4:4-5), jamais poderemos deixar de ser irmãos (Jo 10:28; Ef 1:13-14). Mas esta segurança não garante automaticamente nossa vivência como irmãos. Assim como o fato natural da mesma geração física não dá a irmãos de carne e sangue a garantia de unidade, a geração espiritual também não resultará em unidade se não houver uma decisão de construir dia a dia um relacionamento marcado por uma aliança sincera. Viver como irmão implica em: tempo, aproximação, diálogo, solidariedade, cumplicidade, empatia, renúncia, perdão, ministração, controle da língua..., enfim, amar com o amor do Pai!

O MODELO DA UNIDADE É “ARAÔNICO” (v. 2) – Arão foi ungido com óleo (símbolo do Espírito Santo) “sobre a cabeça”, sendo separado como um sacerdote para ministrar no altar de Deus, cuja missão se concretizava a partir da intimidade de Deus. O óleo recebido “descia” para o corpo (barba e vestes), simbolizando que a unção pessoal deveria se transformar numa unção comunitária. Em Cristo, somos hoje sacerdotes (I Pd 2:9), ungidos pelo Espírito para buscar a intimidade do Pai e partilhar da Sua unção com o Corpo de Cristo – a Igreja (I Co 12:12-27). Por outro lado, a nossa unidade é “hermônica” (v. 3) – o Hermon é um monte de 3.000 metros de altitude que neva o ano inteiro, fornecendo fontes para o Rio Jordão e produzindo um orvalho que torna fértil uma imensa área seca. Feitos pelo Pai irmãos em Cristo e iniciados na unidade pela unção do Espírito, somos desafiados a buscar permanentemente a fertilidade de relacionamentos marcados pela humildade, mansidão, longanimidade, suporte, paz... (Ef 4:1-6).

O RESULTADO DA UNIDADE, diz o salmista, é a ordenação, pelo Senhor, da “bênção” que é “vida para sempre” (v. 3), evidenciando que a fonte da bênção é sempre o Senhor, mas as condições para que ela se transforme numa vitalidade que resiste ao tempo devem ser assumidas por todos nós que fomos introduzidos como “filhos” na família da fé, a Igreja. Nós, da Igreja Presbiteriana Pedra Viva, fazemos desta unidade o valor maior da nossa caminhada e a expressamos através da vida comunitária em células. Que você em Cristo seja sempre um elo desta união, é a minha oração!

Pr. Jair Francisco Macedo – jajamacedo@hotmail.com

Série: VIVENDO COM PROPÓSITOS Visitas: 13218

     :: Sermões da Série ::
» AS QUALIDADES DO SERVIÇO DO REINO - I PD 4:7-11
» O SERVIÇO DO REINO - MT 21:28-32
» A BATALHA DA EVANGELIZAÇÃO – MARCOS 9:14-29
» AS CONEXÕES DA EVANGELIZAÇÃO: DAR DE COMER A QUEM TEM FOME
» O FOCO DA EVANGELIZAÇÃO - MC 5:14b-20
» A ESTRATÉGIA DA EVANGELIZAÇÃO - MC 3:13-19; 6:7-13
» A MENSAGEM DA EVANGELIZAÇÃO - MC 2:1-12
» O CHAMADO PARA A EVANGELIZAÇÃO - MC 1:16-20
» DISCIPULADO, UM CHAMADO À GRANDE COMISSÃO - MC 16:14-20
» DISCIPULADO, UM CAMINHO DE SUPERAÇÃO - MC 10:32-34
» DISCIPULADO, CAMINHO DE SALVAÇÃO - MC 10:17-27
» DISCIPULADO, UM CAMINHO DE SERVIÇO – JO 13:1-17
» AS EXIGÊNCIAS DO DISCIPULADO – MC 8:34-38
» O PERFIL DO DISCÍPULO – MARCOS 8:27-33
» RESTAURANDO RELACIONAMENTOS QUEBRADOS - MT 18:15-20
» COMUNHÃO: UM CAMINHO DE INTEGRAÇÃO – At 2:36-42
» UNIDADE: CAMINHO DA BÊNÇÃO - SL 133
» COMUNHÃO, CHAMADA AO AMOR - JO 13:31-35
» DESENVOLVENDO UM PROJETO DE ADORAÇÃO - LC 22:39-46
» O DEUS QUE DESCE NA ADORAÇÃO - ISAÍAS 64
» O DESAFIO DA ADORAÇÃO COMUNITÁRIA - LC 17:11-19
» A ADORAÇÃO QUE JESUS RECONHECE - MC 14:1-3
» AS IMPLICAÇÕES DA RESSURREIÇÃO - MT 28:1-10
» A FESTA DA PÁSCOA - EX 12:1-28
» VALE A PENA FAZER DE DEUS O PROPÓSITO CENTRAL DAS NOSSAS VIDAS? SALMO 73
» VIVENDO O MAIOR PROPÓSITO DIVINO: A PERFEIÇÃO - (Fp 3:12-16)
» VIVER COM PROPÓSITO - ISAÍAS 26:1-4


 1186272 Visitas desde 07-04-1997
 Usuários On-Line: 5
 
 2008. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Ousar.Net   Área Restrita